Fifa deve permitir manifestações religiosas? NÃO!

Não.

Uma coisa é a crença pessoal de um indivíduo, mesmo envergando sinais discretos de sua devoção, seus ritos particulares.

Outra, entre tantas, é usar qualquer oportunidade para impor a linguagem religiosa - sempre de gosto mais do que duvidoso - a quem está esperando ver futebol, cinema, teatro, espetáculo musical ou qualquer outra coisa.

O medonho espetáculo dos jogadores do Brasil ajoelhados, de olhos fechados e cenho franzido, gritando uma oração em círculo, manchou a beleza do jogo que lhes deu o título da Copa da Confederações. Não por causa da crença em si - como eu disse, cada um acredite no que quiser -, mas pelo oportunismo egoísta e pelo sinal assustador de que algo muito ruim pode estar no ventre da sociedade. Um ovo da serpente, quem sabe.

Essa permissividade com manifestações cristãs pode significar muita coisa. A primeira, preconceito com as outras religiões, que sempre são severamente punidas. Imagine se os jogadores do Brasil estendessem um tapete e se ajoelhassem, em grupo, em direção a Meca. Ou sacrificassem um bode no meio do campo. Com milhões de ocidentais assistindo. Creepy? Mas qual é a diferença?

A outra é a negligência - ou a covardia, travestida do discurso politicamente correto - com esse tipo de manifestação hipnótica e claramente baseada em grupos compostos por indivíduos com baixa escolaridade, de origens humildes e contrastantes com o glamour a que esses jogadores agora são alçados. Seja em nome de Jesus ou do Governo ou de um ídolo pop ou de um Ditador, esse tipo de fervor nunca dá em boa coisa.

Eu também sou obrigado a desconfiar da convocação dos jogadores. Será que o Casagrande, o Sócrates, o Zico ou outro qualquer jogador - claramente exemplos de atletas mais esclarecidos, politizados, gente que lê com frequência - teria “ambiente” numa seleção em que, suspeita-se, a estratégia de coesão do grupo é parasitar uma onda evangélica? Será que o “professor Dunga” e o “pastor Jorginho” dão preferência para jogadores devotos já que, assim, são mais fáceis de motivar?

Falemos da Dinamarca.

A Dinamarca tem um dos melhores Índices de Desenvolvimento Humano do mundo. 99,9% da população é alfabetizada. A expectativa de vida bate os 80 anos. As pessoas são, em geral, felizes e bem resolvidas no pequeno país viking.  A mortalidade infantil é 4 por mil.

Ah, assim como os países com melhor justiça social do mundo, a maioria da população da Dinamarca não tem religião (Islândia, Noruega, Canadá, Austrália). Os que têm, em geral, são luteranos moderados. É o contrário dos piores lugares do mundo para se morar, onde o estado é praticamente teocrático e as pessoas se entregam sincera e devotadamente a Jesus, Alá, vacas ou uma Abóbora Celeste (Congo, Serra Leoa, Irã, Ruanda).

Pois bem: a Federação de Futebol da Dinamarca teve a coragem de protestar veementemente contra a manifestação fanática no final da Copa das Confederações. Leia notícia no site do yahoo:

“A religião não tem lugar no futebol”, afirmou Jim Stjerne Hansen, diretor da Associação Dinamarquesa. Para ele, a oração promovida pelos brasileiros em campo foi “exagerada”. “Misturar religião e esporte daquela maneira foi quase criar um evento religioso em si. Da mesma forma que não podemos deixar a política entrar no futebol, a religião também precisa ficar fora”, disse o dirigente ao jornal Politiken, da Dinamarca. À Agência Estado, a entidade confirmou que espera que a Fifa tome “providências” e que busca apoio de outras associações.

O que a vida feliz dos nórdicos tem a ver com uma postura política da Federação de Futebol? Você dirá que se trata de simples intolerância religiosa. Mas não é verdade. Em um país onde todo mundo estuda (inclusive quem joga futebol), os sinais de fascismo sempre são mais assustadores - até porque ameaçam o maior bem que possuímos: a liberdade. Não é de graça ou por capricho que os dinamarqueses se incomodam com as excentricidades da seleção brasileira. Talvez seja por pertencerem à mesma Europa que foi devastada por duas guerras colossais. Talvez seja por conhecerem História.

LEIA TAMBÉM OUTRO ARTIGO INTERESSANTE: http://tsavkko.blogspot.com/2009/07/o-futebol-tem-seus-proprios-deuses.html

NOTÍCIA NO SITE DO ESTADÃO: http://www.estadao.com.br/noticias/esportes,fifa-repreende-comemoracao-religiosa-da-selecao-brasileira,396345,0.htm

Fonte: www.91rock.com.br/blog/nao